JÚLIA - O BLOQUEAR DOS SENTIDOS

O quarto estava escuro. Apenas os sentidos mais apurados podiam tomar conta de uma situação que por si toldava a realidade. A pequena janela iluminava dois corpos puros de sentimento, levemente afastados das almas que em uníssono gritavam de prazer. As paredes contavam histórias, e escreviam-nas com tal poesia que os próprios teriam dificuldade em reproduzir. Júlia tem sensualidade a correr nas veias e desperta emoções que apenas existiam no domínio da imaginação. Os cinco sentidos estão bloqueados. O envolvimento só deixa margem a que se ligue o interruptor do apocalipse do racional. Os dedos percorrem a pele suave com delicadeza, os lábios tocam-se em ritmos alternados, a sombra dos corpos imprime pinturas no quadro de ilusões. A Lua e as estrelas cantam a paixão à plateia de dois seres que esqueceram o imediato, o importante, o real. Júlia observa o resultado da sua experiência. E gosta. Sente-se realizada e envolvida. Sente o hoje, o ontem e o amanhã, fundidos nas horas de magia que acabou de sentir e proporcionar. Panos que caem do tecto que já não servem para esconder as ilusões, mas para não permitir que olhares indiscretos irrompam pelo teatro de sentidos e emoções que decorre naquele quarto. É magia. É Luar. É Paixão.

2 comentários:

Carlinha disse...

Que sortuda...

NS disse...

Carlinha...

Todos os meus personagens, por enquanto são sortudos.

Bjs,
Nuno