HÁ DIAS...


Há dias em que sem percebermos porquê, como nem de onde, o céu desaba sobre os nossos dedos.
Há dias em que escrever algo sobre qualquer tema é uma tarefa espinhosa, mas se esticarmos os dedos, delineamos linhas de tristeza à velocidade do olhar.
Há dias em que a tristeza é a melhor amiga do pensamento.
Há dias em que por mais que o Sol brilhe, só a chuva nos entra nos ossos e nos faz escorrer na cara pingos que se confundem com lágrimas.
Há dias em que o astros não permitem que o maior dos esforços sejam mais do que simplesmente inglórios, na reposição da verdade.
Há dias que começamos a pensar e acabamos a reagir.
Há dias em que a alegria esperada transforma-se em cinzento, depois em negro, depois a espera, a ansiedade e a angústia, a falta de resposta, o medo e o descontrolo.
Há dias em que simplesmente o Sol e a Lua não se alinham, quando habitualmente o estão.
Há dias em que o melhor se transforma em duvidoso, e o momento passa a ser mais importante que o todo.
Há dias em que o próximo está repleto de dúvida, de desconfiança, de incerteza e de medo.
Há dias em que o coração fica tão apertado que aí percebemos que o importante se sobrepõe ao urgente.
Há dias em que um singelo momento assume a importância de outras tantas dezenas de direcção oposta.

Há dias em que as pernas tremem sem prazer, o coração acelera sem excitação, as pálpebras piscam sem alegria, os olhos fecham sem sono, a expressão facial cai, as costas dobram, os braços ficam pesados, os movimentos lentos, o cérebro pára, a visão das coisas perde cor, o pescoço dói, o peito aperta, o cigarro abunda e uma discreta lágrima sofrida cai num sobressalto de tristeza.

Há dias...

Romeo and Juliet - Sad Violin Song

7 comentários:

Momentos Anónimos disse...

Há dias em que as pernas tremem por prazer, o coração acelera com excitação, as pálpebras piscam com alegria, os olhos fecham com sono, a expressão facial fica iluminada, as costas permitem, os braços apertam, os movimentos agitam, o cérebro fervilha, a visão das coisas ganha tonalidade, o pescoço é beijado, o peito aperta de amor, o cigarro abunda e uma discreta lágrima de alegria cai num sobressalto de felicidade.

Sou uma safada :-)

cpalma

NS disse...

Ai que a menina tem jeitinho... tem, tem!!!

Porque não inicias o teu blog (creio que só tens este: http://porqueeueuporque.blogspot.com/) nesse registo?

Prometo que vou lá comentar todos os dias. :)))


Bjs,
Nuno

Momentos Anónimos disse...

começei mas não continuei, mas prometo continuar.

bjs
cpalma

Momentos Anónimos disse...

mas olha que depois de ler os teus escritos magnificos, fico envergonhada....e parece que qualquer "veia literária" que exista - se é que existe - desaparece.
Escreves mto bem e expressas melhor ainda, não só o que sentes, mas como vês os outros, o mundo e sem querer ou por querer, expressas mtas vezes o que os outros sentem e não conseguem dizer.
bjs

cpalma

"Picos" disse...

há dia, que não é certamente o de hoje, onde não há uma lágrima a escorrer para um colo, que não chama a tristeza. Há dias como o de hoje, dia melhor que o de ontem e certamente pior que o de amanhã, há dias que vagueamos e encontramos uma gota de bem estar, bebemo-la sôfregos sem tempo de a apreciar, há dias que o tempo apressado leva sem parar, há dias que te vejo sem te ver no teu estar, ele há dias...
beijo

NS disse...

Cristina...

E se eu te disser que muitos textos não publico, ou muitos que publico fico a olhar para eles - embaraçado com o que escrevi pela falta de qualidade - e penso "talvez alguém goste..."

O que tenho a concluir é: escreve!

Bjs,
Nuno

NS disse...

... e há dias em que nos aparece alguém que escreve muito bem...

Picos, obrigado por aqui estares.
Vou atentar ao teu blog que ao primeiro vislumbre me pareceu ao meu gosto.

Bjs,
Nuno