LÁGRIMAS ALHEIAS



Os teus olhos que por momentos, manchados de reproduções do passado, duras e tristes... por não egoístas doem a mais alguém...
Alguém que habituou o olhar ao teu, terno e doce, feliz e resolvido. A quem dói a tua dor relembrada.
Não, não é costume e por isso choca. Debilita a acção de quem vê e ouve.
Privilegia pela confiança do desabafo aleatório, mas... não te sei responder. Nem tão pouco afagar. Não percebo como se limpam lágrimas... nunca aprendi...
Apenas integro. Assumo parte como que por magia de sentimento fraterno, inexplicável, profundo.
Não creias que sejam lágrimas esquecidas.
São lágrimas... são pedras... imagens pesadas de memória negra, que por não esquecidas inspiram palavras a alguém. Que por não esquecidas continuam a doer.
São desabafos da passagem.
Se calhar ouvir chega... Se calhar estar lá limpam as lágrimas de dentro... não sei, não sei mesmo.
Continuo a ouvir. Continuo a sentir. Continuarei a estar.

2 comentários:

Anônimo disse...

Para isso servem os amigos.

NS disse...

E repito.
Para isso servem os amigos.

Obrigado e bem vindo.

Cumps,
Nuno