As Cores do Arco-Íris

Se abro os olhos, vejo claramente o negro a compor o presente momento; cinza vertida nos raios de sol.
Se os cerro, desfoco levemente as cores do arco-íris que ilustram as memórias do passado.
Quando escrevo, aí pinto com cinzel de nostalgia triste as novas cores belas que irei - eventualmente - observar um dia.

Não me parece que as cores da memória, outrora presentes, voltem a juntar-se tão belas quanto tu já as soubeste pintar. Essas só uma vez na vida poderão existir e apenas a um artista permito o seu pincel na tela a que chamo coração.

Acredito, sim, que no obscuro do presente possa encontrar novas cores que desenhem o futuro.

2 comentários:

Masquediabo disse...

Também quero acreditar que sim.
Novas cores hão-de surgir.

NS disse...

Certamente, Masquediabo, certamente.

Abraço