Renascer de Júlia

Ainda não foi possível vender tempo à prosa. É a transformação de horas no prazer que a escrita me devolve. Não é vaidade, tão pouco talento ou sequer equilíbrio. É limpeza e ornamentação do Ser. Do mais pessoal.

Como já disse algures, é em silêncio que "atiro palavras soltas à página na vã esperança que elas se juntem.". E por vezes resulta, por vezes é possível tocar-te com aquilo que aqui se passa... mas quase sempre preciso de preencher vazios para que estes dêem lugar ás letras e palavras. Não basta fluir bolhas de ar no papel. Eu preciso de lá estar e acontecer-me no texto.

Júlia irá renascer. Merece que conte um pouco mais da sua história emotiva e farta de dúvidas. E, contudo será possível juntar letras que descrevam o som do seu prazer para além da sua vida?

4 comentários:

São Rosas disse...

Ainda não conheço a Júlia. Apresentas-ma?

NS disse...

Claro que sim São...
Um destes dias.

Entretanto podes ir tendo uma ideia dela aqui:

http://nsalvacao.blogspot.com/2010/07/julia-o-bloquear-dos-sentidos.html
http://nsalvacao.blogspot.com/2010/07/o-quarto-do-vazio-memoria-da-paixao-de.html
http://nsalvacao.blogspot.com/2010/07/o-quarto-do-vazio-o-castelo.html
http://nsalvacao.blogspot.com/2010/06/o-quarto-do-vazio-pintura.html
http://nsalvacao.blogspot.com/2010/06/o-quarto-do-vazio-janela-aberta.html
http://nsalvacao.blogspot.com/2010/06/o-quarto-do-vazio.html

:))
Bjs

São Rosas disse...

Fixe. Já tenho que ler no fim de semana ;O)

NS disse...

:)))))