Indiferença

O indiferente age com desdém;
O que tem desprezo pelos demais;
O que prefere a desconsideração, apatia e insensibilidade no trato com os restantes semelhantes;
Os que praticam acções desenhadas com frieza;
É o sono da alma, o adormecimento da personalidade.

É pior a indiferença de um dito benemérito envolto em supostas responsabilidades sociais, que os gritos estridentes de pessoas de quem nada se espera;
É o péssimo pecado para com um semelhante, pior que odiá-los, vestir o lobo com pele de cordeiro e atraiçoá-lo com indiferença, a essência da desumanidade;
É o perpétuo adeus;

E os que advogam a Liberdade?
Será que falam daquela que os permite dizer o pensam sem se preocuparem com o limiar da interferência na Liberdade do próximo? Ou andar livremente na rua? E no seio dessa Liberdade qual a reacção interior quando passam pelos semáforos? E pelos vãos das escadas, o que fazem perante o que vêem, se é que sequer olham.

E os que proclamam a Igualdade?
Será aquela Igualdade que coloca no mesmo patamar dos restantes aqueles que sem condições para o trabalho, vivem cada dia sem preverem comida ou dormida quente para dali a umas horas? Ou será a Igualdade daqueles que convergidos pela contingência política de um sistema implementado, não encontram alternativas senão prostituírem-se de todas as formas conhecidas e mesmo as mais subtis, para poderem sobreviver?

E os que preconizam a Fraternidade?
É aquela em que uma pessoa com condições de vida, seja em que medida forem, ajuda o seu semelhante a somar dividendos ficando de consciência tranquila quanto à beneficência que praticou?

Não serão estes conceitos hipócritas quando não efectivamente trabalhados em conjunto?

Contudo existem claramente uns poucos que somam estes conceitos à Tolerância, seguem-nos diariamente, e juntos conseguem fazer alguma diferença nos protocolos sociais e morais implementados.
São poucos, são quase nenhuns, e menos ainda os que se expõem...

2 comentários:

jardinsdeLaura disse...

Uauuu... questões que incomodam e quase ferem as que aqui colocas! E estranha forma esta (tão) tua de todas envolveres no manto cinzento da indiferença! Dir-te-ia magoado com algum Adeus que não queres perpétuo... talvez por isso me apeteça dizer-te: Até logo! ;)

NS disse...

Laura :)))

Este texto não se refere a nenhum Adeus, mas à tentativa de explorar um pouco a consciência social na mais lata forma de expor.
Quer num casamento, num emprego, na política, na rua, nos amigos, a indiferença é patente e manifesta-se de diversas formas. Essa atitude é mais desumana na maioria dos casos, que o ódio.

Outros se seguirão.

Beijo e obrigado.
Nuno