Saudade


Em dia que as nossas vidas profissionalmente não se toquem, a saudade espreita, faz-se ver pelas salas e corredores lembrando que há um bocado, há um bocadinho apenas estávamos a olhar-nos.

Nesses dias em que os nossos olhos não falam uns com os outros, e aguardam por imposição das nossas (des)vontades o reencontro nocturno que nos habituámos a aceitar, o relógio pára, fica eternidades no mesmo sítio agindo contra a nossa vontade de observar o Tempo em conjunto.
Nesses escuros dias em que os nossos corpos tocam-se vezes de menos, sobram carícias que não percebemos onde colocar - o que lhes fazer, olhares que não queremos a mais ninguém dirigir.
A saudade deve ser como a pressão de uma qualquer campânula que só constantemente aliviada não causa dano;
que devemos manter num nível de conforto para não ensurdecer o espaço em redor;
e para não rebentar num peito onde já não cabe, transbordando pelos olhos de quem nos olha algumas horas depois do Tempo ter parado...

6 comentários:

jardinsdeLaura disse...

Está excelente! Parabéns Nuno

micróbio disse...

Um selo para ti em:

http://vidademicrobio.blogspot.com/2011/03/para-me-animar-o-dia.html

Malu disse...

Saudades... esse sentimento que acontece pela fusão do AMOR e da AUSÊNCIA.
Linda descrição!
Abraços

NS disse...

Laura...
Obrigado.
:)

Aparece sempre, e desculpa a demora na resposta.

Bjs

NS disse...

Obrigado Micróbio.

:)

NS disse...

Malu :)

E por vezes sem ausência;
E por vezes saudades do que ainda não vimos;
E por vazes apenas saudades de qualquer detalhe esquecido...

Obrigado,
Bjs