Reconhecer a Felicidade II

Um destes dias ouvi de alguém que habitualmente assume consciência e responsabilidade das palavras proferidas, o conceito "para nos sentirmos felizes é necessário sabermos que estamos felizes". De facto trata-se quase de uma verdade palaciana ainda que a coberto de algum esquecimento generalizado.

As escolhas foram-me oferecidas do que a vida me deu em opções, um oceano acima do que algum dia pediria, ou muitos poderão afirmar. E com esta luz escolhi proporcionar algumas das escolhas que nunca pudeste fazer, numa espiral de gratificação pela felicidade concedida.

Ademais, não só às relações se poderá aplicar este conceito, mas a um pouco de tudo na vida. E assim atingirmos determinadas metas apenas porque acreditamos - com consciência do presente, claro está - que o objectivo é já uma realidade.

Conceitos que abraçam a famosa frase "Yes, we can"?
Não. Apenas aludem.
Justas considerações disponíveis, mas apenas integráveis aquando de um conhecimento próprio superior ao que outrem de nós possui.

2 comentários:

Nilredloh disse...

Belo texto!

NS disse...

Obrigado, muito obrigado pelas palavras.

Abraço,
Nuno