Fábulas - O Caminho das Pedras - A 5ª Pedra

Futuro mais que 3 e antes que 4
O Final da Travessia


O Rei, satisfeito com a progressão da Senhora-Menina e do Ancião-Menino faz uma nova visita à pedra do momento. O anjo, acompanhando de perto a caminhada, auxilia discretamente sempre que necessário. A Senhora-Menina está praticamente preparada para passar para o lado de lá do riacho e já domina mágicas, curas e todas as demais acções alegóricas que tem vindo a assimilar.
Neste momento os nossos dois caminhantes estão sediados na quinta pedra e com eles, todas as criaturas que eles vão encontrando - ainda de passagem - para além de Elfos e demais paladinos que agora começam a abundar no que ilustra a nova sociedade já próxima do lado de lá do riacho.
Da sexta e da Sétima pedra não será necessário explorar muito uma vez que consolidam e edificam tudo o que foi alicerçado no caminho. Tudo o que tem sido apreendido será daqui para frente integrado e aperfeiçoado. A Senhora-Menina e o Ancião-Menino irão, do lado de lá do riacho, materializar sistematicamente as práticas que têm vindo não mais do que a testar, permitindo com isso albergar maior número de criaturas e em conjunto com outros seres do lado de lá do riacho, seres esses já experientes naquilo que hoje é novidade para a Senhora-Menina, trabalhar com mais assertividade e abrangência.
Novos Elfos surgirão, novas criaturas dependerão dos nossos caminhantes, novas florestas serão cuidadas e novos caminhos percorridos na aprendizagem, no conhecimento, na cura. Afinal o trabalho deles é esse e por vezes só é necessário explicar espiando bloqueios demasiado terrenos que prendem as criaturas ao chão. Sim, criaturas porque disso não passam até que iniciem viagens de caminho, pisem a primeira pedra e queiram de facto pisar a segunda não obstante as dificuldades e nunca olvidando a dor associada, transformando-a, aprendendo com ela, usando-a a seu favor.
O lado de lá do riacho, patamar que sucede ao último degrau da escada - Sétima pedra, será um mundo de tal forma completo, impraticável de reduzir a escrito, ofensivo de - tentar - traduzir semelhantes desígnios, não sendo por mera casualidade que mesmo o Ancião-Menino e à semelhança de outros anciãos que caminham inversamente em busca de curandeiras, bloqueia em choque terreno de adaptação ao meio e esquece parte do seu conhecimento a retomar apenas aquando do seu regresso.

É uma escada, são pedras, são exactamente a analogia que quisermos fazer, aquilo que alegoricamente queiramos chamar, mas não passa de um único conceito:

CAMINHO

2 comentários:

Anônimo disse...

Lilian olhou a escada branca de flores

Lilian diz que agora ouve porque olhou

quem traz o silêncio de outras dores

tão sereno. Quem abraçou.

M.

NS disse...

Lilian abraça as dores mudas
de quem traz o silêncio e o caminho
de trilhos e passadas agudas
e a meta, ao longe... um ninho